terça-feira, 3 de julho de 2012

PÊNFIGO FOLIÁCEO OU “FOGO SELVAGEM”



Os pênfigos são doenças que causam o aparecimento de bolhas na pele e, algumas vezes, nas mucosas. Eles têm, como característica comum, a localização das bolhas na camada mais superficial da pele, a epiderme.
Existem diferentes tipos de pênfigos. Os dois principais são o Pênfigo Vulgar e o Pênfigo Foliáceo. Daremos enfoque ao Pênfigo Foliáceo, conhecido como “fogo selvagem”. No Brasil, ele predomina nos Estados do Centro-Oeste, Minas Gerais, Oeste de São Paulo, norte do Paraná e Distrito Federal, sendo rara nas regiões nordeste e nos demais Estados do Sul.
O Pênfigo foliáceo (PF) acomete quase que exclusivamente habitantes da área rural e tem praticamente a mesma distribuição em homens e mulheres. É mais frequente em adultos jovens, mas pode afetar também as crianças.
O Pênfigo foliáceo ou “Fogo selvagem” é uma moléstia caracterizada essencialmente pelo aparecimento de bolhas no tórax, rosto e couro cabeludo, e depois em todo o corpo, e que evolui para um estado em que predomina descamação generalizada, se não for convenientemente tratada.

Tudo indica que sua formação é desencadeada por picadas de certos mosquitos (simulídeos, ou borrachudos) e constituiria a reação à inoculação das toxinas do próprio inseto. Estas hipóteses estão sendo estudadas, e para serem confirmadas estão sendo realizadas pesquisas principalmente nos Estados Unidos, com a participação inclusive do Hospital Adventista do Pênfigo, através do Grupo Cooperativo de Estudo do Pênfigo Foliáceo. A relação da moléstia com picadas de mosquitos explica a sua ocorrência principal em zonas de derrubada de matas, que é exatamente onde o ser humano mais se expõe.

Manifestações clínicas: de início surgem manchas vermelhas, nas quais se localizam lesões bolhosas que se rompem facilmente e formam crostas, localizadas nas porções centrais do tórax, tanto anterior como posteriormente, nos ombros, pescoço, rosto e couro cabeludo. Nesta fase inicial, chamada “pré-invasiva”, é frequente a presença de descamação intensa no couro cabeludo.

Se o paciente não é tratado, estas lesões se estendem simetricamente, em semanas ou meses, a todo o corpo, constituindo a fase “invasiva” da moléstia. Mais tarde, se deixada a continuar sua evolução espontânea, manifesta-se à fase “eritrodérmica”, em que as bolhas se tornam cada vez mais raras, sendo substituídas por uma vermelhidão e descamação que podem generalizar-se. Esta última etapa pode durar muitos anos, podendo o paciente falecer por complicações quando não é tratado. Existem raros exemplos de regressão espontânea da moléstia, isto é, sem terapêutica, permanecendo manchas que desaparecem lentamente.
Em todas as fases existe uma sensação de ardor e calor, o que justifica o nome “fogo selvagem”, e grande sensibilidade ao frio.

Ao friccionarmos uma área de pele normal do paciente, próximo a uma lesão, freqüentemente obtemos descolamento da epiderme, o que constitui um sinal (de Nikolski) de grande importância no diagnóstico, embora não seja exclusivo do PF.
Não ocorrem lesões nas mucosas, ao contrário do que sucede em um outro tipo de Pênfigo, o P. vulgar, que é mais grave e raro, além de produzir bolhas mais profundas e dolorosas, principalmente nas dobras da pele. O PF também não acomete órgãos internos, e os exames laboratoriais costumam ser normais, exceto o exame histopatológico (através da biópsia), que costuma ajudar a confirmar o diagnóstico.

Tratamento: O tratamento atual do PF baseia-se na administração de hormônios corticosteróides, esquema usado com sucesso no Hospital Adventista do Pênfigo, bem como nos demais hospitais especializados.
Começa-se com uma dose elevada (de ataque), que é gradualmente reduzida após o desaparecimento das lesões, e até ser atingida a dose mínima ideal para o paciente, com a qual ele deverá continuar o tratamento em casa durante vários anos. Em geral após 2 a 3 anos, a dose é lentamente reduzida até a retirada total do medicamento; este processo dura em média 6 a 8 anos. Também são utilizados medicamentos coadjuvantes para tratar as infecções secundárias que podem complicar a doença, e para controlar os efeitos colaterais provocados pelos corticosteróides. São importantes os cuidados gerais, como a limpeza das lesões, a hidratação e a dieta do paciente.
 Todas as fases do tratamento, quer sob internação ou no ambulatório, devem obrigatoriamente estar a cargo de um dermatologista.
É oportuno lembrar que, no início das atividades do Hospital Adventista do Pênfigo, usava-se exclusivamente uma pomada à base de piche e enxofre, que trazia bons resultados, mas às custas de demasiado sofrimento dos pacientes, e com o risco de desenvolver câncer cutâneo, pois os hidrocarbonetos do piche são cancerígenos e são também usados em centros de pesquisa para desenvolver câncer experimental em animais de laboratório. Atualmente usa-se neste hospital uma pomada que contém um hidrocarboneto não cancerígeno e que tem uma função complementar no tratamento, embora de grande utilidade para acelerar a renovação da epiderme.

Embora o prognóstico desta doença tenha melhorado tremendamente com os novos recursos de tratamento, é necessário lembrar que ela continua a ser relativamente grave, necessitando de imediatos cuidados ao se apresentar. Um diagnóstico seguro e precoce significa nestes casos, como sempre, maior probabilidade de sucesso no tratamento. 





 Obs: Este tema foi sugestão de pacientes e do grupo terapêutico que coordeno.


Referências Bibliográficas

FILHO, Alfredo Marquart.Medicina Avançada – Dra.Shirley de Campos. Pênfigo ou Fogo Selvagem. Disponivel em: < http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/11889> Acesso em 27 de Junho de 2012.

 
LIMA, Ricardo Barbosa. Dermatologia. net – Saúde e beleza da pele. Doenças da Pele – Pênfigos. Disponível em < http://www.dermatologia.net/novo/base/doencas/penfigos.shtml> Acesso em 27 de Junho de 2012.


CONHEÇAM MINHAS PÁGINAS NO FACEBOOK:




9 comentários:

  1. Enquete....

    * Você conhece alguma pessoa portadora desta doença? conte uma pouco da história e do dia a dia desta pessoa. Obrigada!

    ResponderExcluir
  2. bem, eu não conheço ninguém com essa doença, mas achei muito interessante o seu post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por deixar seu comentário. Realmente essa doença é um pouco rara de se ver e de ser divulgado os casos existentes na mídia ou na internet em geral, creio que seja pelo fato de ser uma doença que acomete habitantes da área rural, porque se fosse da área urbana as vezes a mídia daria mais importância. Volte sempre. Abraço.

      Excluir
    2. Ola Aline sou da Zona Urbana ,nunca morei na Zona Rural..Tenho Pênfigo Vulgar a 9 anos..Fui a varios Dermatologista de minha cidade ,a midia não dar muita atenção ,para as pessoas que tem este tipo e patologia,sofro muito qd estou em crise nem meu celular toca...O pior é a solidão ,perdi minha casa,meu marido me deixou perdi meu emprego, tenho 34 anos estou numa crise forte...

      Excluir
    3. Ei Andreza, deve estar em uma situação muito difícil, já procurou ajuda profissional de um psicólogo? as vezes conversar com alguém de fora pode lhe ajudar. Abraço.

      Excluir
  3. minha mãe foi diagnosticada com esta doença, ele fi ao medico e ele disse q era um virus q causava a doença, levei ela ao oftalmologista pois ela tb esta com a face bem inchada um olho ja nao abre e o outro tb esta se fechando de tão inchado q está o rosto, n sei o que fazer ou a qual especialista devo leva-la?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Morena Bela! Obrigada por responder. Existem hospitais especializados nesta doença, são estes:

      Hospital Adventista do Pênfigo
      Av. Dr. Gunter Hans, 5885, Jardim Pênfigo - Campo Grande - MS, 79076-168
      (67) 3323-2000

      Hospital Adventista do Pênfigo
      R. Barão do Rio Branco, 2590 - Centro, Campo Grande - MS, 79002-170
      (67) 3323-9340 ‎

      Hospital Adventista de São Paulo
      R. Rocha Pombo, 49 - Aclimacao, São Paulo, 01525-010
      (11) 2838-7000 ‎ ·

      Hospital Adventista Silvestre
      Ladeira do Ascurra, 274 - Cosme Velho, Rio de Janeiro - RJ, 22241-220
      (21) 3034-3000

      Espero ter ajudado.... Acho que vale a pena levar sua mãe lá para ser consultada e tratada, volte sempre. Abraço.

      Excluir
  4. OLA ALINE ,NAO SEI MAIS O QUE FAZER MEU AVO FOI DIAGNOSTICADO COMO PENFIGO FOLIACIO ESTOU DESISPERADA POIS O HOSPITAL MANDOU PARA CASA E CONTINUA SAINDO BOLHA ME AJUDE POR FAVOR O QE DEVO FAZER ELE TEVE AVC TEM PROBLEMA NO CORACAO NAO ANDA MAIS NAO COME SOZINHO FAZ MAIS DE DOIS ANOS E FOI INTERNADO DIA 12\12\13 E FICOU ATE O DIA 31\12\13 E DERAM ALTA MAIS NAO PARECE Q TEM CONDICAO DE FICAR EM CASA ME AJUDE NAO SEI O Q FAZER PARA AJUDA LO ,

    ResponderExcluir
  5. ME EXPLIQUE SOBRE ESSA DOENCA TENHO 3 FILHOS PEQUENOS ,,,TAMBEM ME PREOCUPO POR ELES E CONTAGIOSO ?

    ResponderExcluir